Adicionar ao saco de compras
Voltar ao catálogo

Dimensões: 232p., 15,0x22,5 | 470g
Edição: Dafne Editora, Porto
Data: Setembro de 2013
DL: 366823/13
ISBN: 978-989-8217-25-7
Preço: Dezassete euros e dezassete cêntimos
Design: Manuel Granja
Leprosaria Nacional
Modernidade e Ruína no Hospital-Colónia Rovisco Pais


O antigo Hospital-Colónia Rovisco Pais, na Tocha, onde funcionou o que em tempos se chamou a Leprosaria Nacional, foi concebido nos anos de 1930 e a sua construção prolongou-se até ao final dos anos 1950. Projectado pelo arquitecto Carlos Ramos sob a tutela do «médico empreendedor» Bissaya Barreto, esta obra hospitalar constituiu-se como uma pequena colónia, com bairros de habitação, equipamentos e espaços públicos, onde foram confinados os portadores da doença de Hansen em Portugal. Alguns destes espaços e edifícios têm vindo, desde 1996, a ser convertidos e remodelados para funcionamento do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro Rovisco Pais, outros encontram-se em ruína e outros acolhem ainda ex-doentes de Hansen. Neste livro procuram descodificar-se vários níveis de interpretação que acompanharam a construção do conjunto, os conhecimentos médicos sobre a doença, a transformação do edificado e a imagem dos espaços e construções. Talvez assim se possa fazer justiça ao universo de sentimentos contraditórios que a memória da doença inspira, mas também às contradições da arquitectura e ao conjunto de ambiguidades da instituição que modelou o percurso histórico da Leprosaria Nacional. Através destas páginas, lendo as hesitações, os pontos de vista de especialidade, os desenhos, os relatórios de suporte, os cadernos de encargos e tantos outros elementos do passado e do presente, podemos aproximar-nos de uma modernidade mais complexa e contraditória do que aquela que é comummente aceite.

Com textos de Paulo Providência, Sandra Xavier, Vítor M. J. Matos, Ana Luísa Santos, Luís Quintais e um ensaio fotográfico de Emanuel Brás. 

Este livro foi apoiado pelo CES – Centro de Estudos Sociais, pelo CRIA – Centro em Rede de Investigação em Antropologia e pelo CIAS – Centro de Investigação em Antropologia e Saúde, da Universidade de Coimbra a partir de um trabalho de investigação financiado por Fundos Nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia no âmbito do PEst-OE/SADG/UI4038/2011 e do PEst-OE/SADG/UI0283/2011.


Vista Aérea Parcial do Hospital-Colónia, 1952.

Título
X