Adicionar ao saco de compras
Voltar ao catálogo

Dimensões: 324p., 15,0x22,5 | 510g
Edição: Dafne Editora, Porto
Data: Fevereiro de 2011
DL: 322893/11
ISBN: 978-989-8217-11-0
Preço: Vinte e um euros e vinte cêntimos
Design: João Faria, João Guedes / DROP
Pedro Gadanho
Arquitectura em Público
15 anos de expansão mediática nas páginas de um jornal português


No momento em que se publica este livro, o panorama mediático português é abalado por alguns dos acontecimentos mais dramáticos da sua existência pós-ditadura. Entre a sua fragilidade e a pressão esmagadora da realidade económica, a crise generalizada das publicações em papel e a entrega estapafúrdia a práticas populistas, o cenário mediático português atingiu um ponto irreversível.
Perante este estado das coisas, é pertinente perguntar porque é que se escreve um livro sobre a difusão de massas de uma produção cultural tão específica como a arquitectura. A resposta é que a aparição meteórica da arquitectura no contexto mediático generalista português foi, ela própria, um sinal da volatilidade e do funcionamento dos nossos media de massa.
A afirmação da arquitectura portuguesa através da mediatização revelou-se uma boa metáfora para explicar como os media de massa acolhem, digerem, ampliam, apropriam e finalmente deitam fora qualquer assunto que sirva para captar a atenção e o share. Diz-se aqui como o campo arquitectónico adquiriu pujança, como se reflectiu e como acabou por ser escrutinado na esfera pública. Mas podia falar-se de arte, culinária, futebol ou qualquer outra coisa.
Nas entrelinhas desta expansão mediática ficou também uma história parcial e uma crítica cultural da arquitectura portuguesa entre 1990 e 2005. Nas estórias picantes que aqui se revisitam, esses 15 anos foram o período áureo em que, mais que qualquer meio especializado, o jornal Público deu as boas vindas a uma prática que – pelo menos do ponto de vista mediático – se tornaria numa das grandes exportações da cultura portuguesa contemporânea.

Prefácio de Nuno Portas e posfácio de Pedro Barreto.

PEDRO GADANHO reside em Lisboa e divide a sua actividade entre arquitectura, curadoria, crítica e docência universitária. É editor da Beyond, Short Stories on the Post-Contemporary, publicada pela Sun Architecture desde 2009. É professor na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, foi comissário das exposições Post-Rotterdam, Influx-Metaflux, Space Invaders e Pancho Guedes, An Alternative Modernist. Edita regularmente o seu blog shrapnelcontemporary.wordpress.com



As obras que vão mudar Lisboa, Público, 22 de Maio de 1990.

Título
X