Adicionar ao saco de compras
Voltar ao catálogo

Dimensões: 136p., 15,0x22,5 | 250g
Edição: Dafne Editora, Porto
Data: Outubro de 2008
DL: 202251/03
ISBN: 978-989-8217-01-1
Preço: Dez euros e nove cêntimos
Design: Gráficos do Futuro
Domingos Tavares
Andrea Palladio
A grande Roma


Palladio foi o principal intérprete de uma cultura arquitectónica consolidada depois dos primeiros decénios de Quinhentos. No âmbito da expressão formal produzida no contexto particular de Veneza e da sua região, foi tirando saberes das experiências dos arquitectos precedentes que cruzaram aquelas terras no seu tempo de vida, como Giulio Romano vindo de Mântua, Sanmichele de Verona ou Sansovino de Florença. Ou mesmo um divulgador de arquitecturas clássicas com pretensões teóricas como Sebastião Serlio, chamado como todos a Vicenza para se pronunciar sobre a reconstrução do arruinado Palazzo della Ragione. Considerado o homem necessário no momento certo, Palladio descobriu o modo de fazer que reencontrou a ideia de grandiosidade clássica do império romano, dando expressão à expectativa progressista e transformadora da burguesia veneziana interessada na exploração dos campos agrícolas estendidos a norte do rio Pó.
A arquitectura de Palladio sintetizou respostas às necessidades reais através do praticismo operativo e dos valores simbólicos associados à definição da nova cultura artística, num projecto global que ajudou a transformar as amplas paisagens da Terra Firme. Pelo rigor, simplicidade de meios e geometrismo elementar das suas concepções, pelo recurso à memória dos imaginados monumentos romanos, pela generalização dos valores identificados com a produção da obra de arte tornada extensível à realização das mais simples construções residenciais, transformou-se no exemplo a seguir e no arquitecto que acabou por marcar fortemente a fase final do Renascimento no norte de Itália. Para isso contribuiu de algum modo a enorme quantidade de Ville efectivamente concretizadas, casas agrícolas, palácios e palacetes espalhados por toda a região que vai de Verona a Veneza, mas também porque deixou em livro escrito e desenhado os ensinamentos e modelos que muito contribuíram para a popularização dessas arquitecturas. E, finalmente, porque foi o autor de algumas das mais brilhantes igrejas de Veneza, a cidade da água, pérola inscrita nos caminhos do oriente.
Palladio assumiu-se como profissional da construção, cientista da forma e artista clássico no uso dos métodos geométricos de composição, superando a ideia de pintores e escultores que se dedicavam complementarmente à arquitectura, ou mesmo literatos, que buscavam no modelo ou nos componentes herdados dos antigos romanos os caminhos de um fazer moderno. Inseriu-se na tradição do rigor veneziano dos números e deixou os tópicos necessários para que, nas suas obras, a intervenção controlada de estucadores, pintores e escultores desse acabamento coerente às soluções arquitectónicas por si predeterminadas, onde não faltaram os recursos à ilusão do olhar na linha das arquitecturas pintadas introduzidas por Mantegna em Mântua, Pietro Lombardo em Veneza ou Bramante na Lombardia. Os princípios da arquitectura de Palladio, na sua linha de simplificação construtiva e estrutural sem excesso de adornos e sempre submetida à simetria triádica com distribuição axial dos elementos compositivos, passaram a constituir as regras básicas da ordenação clássica. Os seus Quattro Libri foram o catálogo principal para a busca de modelos que haveriam de conduzir a corrente neoclássica inglesa até ao romantismo do final do século XIX.

DOMINGOS TAVARES (Ovar, 1939) é arquitecto e Professor Emérito da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, onde ensinou desde 1985 a disciplina que deu origem às Sebentas de História da Arquitectura Moderna publicadas pela Dafne Editora desde 2003. Autor dos livros Da Rua Formosa à Firmeza (Faup, 1985) e Francisco Farinhas Realismo Moderno (Dafne, 2007).



Vincenza, Palácio Chiericatti.

Título
X