Adicionar ao saco de compras
Voltar ao catálogo

Dimensões: 152p., 15,0x22,5 | 250g
Edição: Dafne Editora, Porto
Data: Outubro de 2012
DL: 349856/12
ISBN: 978-989-8217-20-2
Preço: Dez euros e nove centimos
Design: Gráficos do Futuro
Domingos Tavares
Michelangelo
Aprendizagem da arquitectura


Michelangelo aprendeu a ser arquitecto quando os códigos de competência e estabilidade do saber tiveram de ser rompidos para se encontrar a resposta necessária a cada problema concreto. Senhor de uma fé inabalável e municipalista convicto, reteve os antecedentes neoplatónicos instalados no espírito artístico florentino, a componente de valorização do papel do homem como ser e destinatário da arte e o sentido eminentemente científico do conhecimento ao serviço da democratização da vida na República.
Enfrentou os novos desafios com a consciência das suas limitações, mas com determinação para vencer as dificuldades que se colocavam a um profissional com formação de origem noutras áreas das artes plásticas. É verdade que a elevada competência em desenho acompanhou uma larga cultura humanística na sua fase de formação como pintor, primeiro, e principalmente como escultor. Mas, na época em que já homem feito, se viu envolvido nas tarefas de edificar, não estavam ainda clarificados os mecanismos do projecto arquitectónico e Michelangelo sentia-se algo ignorante em muitos aspectos técnicos fundamentais para um efectivo controlo dos sinais a conferir à produção do espaço real. Pensar sobre o objecto e destino da arte e aplicar essas noções ao exercício da arquitectura, revelava a complexidade do trabalho colectivo, mal articulado com a sua tendência de artista de produção individual.
Procuram-se os passos do artista criador abrindo o específico campo da arquitectura como actividade intelectual consciente e crítica, ao lado da poesia, porque é a esse nível que se colocam as questões principais da formação dos arquitectos. De facto, a grande crise económica e política que se abateu sobre as repúblicas urbanas do espaço italiano na transição para o século XVI, fez desmoronar todo o edifício social em que assentavam as teorias da arte. Particularmente pôs em causa a crença na autoridade espiritual dos pontífices de Roma e com ela, a ideia da autoridade absoluta dos enunciados sobre a criação da beleza. Produziu uma tal perturbação em todas as formas de expressão artística, que todo o sistema de regras e valores adquiridos ao longo do primeiro renascimento passou a constituir um mundo de dúvidas e perplexidades. Em Michelangelo, as ambiguidades de valor plástico insistentemente presentes nas opções de forma, bem como a livre interpretação dos modelos extraídos do vocabulário clássico são tentativas de construir uma sintaxe coerente com as novas condições do entendimento da arte. Colocou todas as suas capacidades e energias na procura constante de garantir a perfeição e o equilíbrio, tendo consciência de que para isso teria de reinventar todos os dias, para todas as situações, uma outra ordem de fazer.

DOMINGOS TAVARES (Ovar, 1939) é arquitecto e Professor Emérito da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, onde ensinou desde 1985 a disciplina que deu origem às Sebentas de História da Arquitectura Moderna publicadas pela Dafne Editora desde 2003. Autor dos livros Da Rua Formosa à Firmeza (Faup, 1985) e Francisco Farinhas Realismo Moderno (Dafne, 2007).



Roma, Praça do Capitólio.

Título
X